Moradia: o desafio das grandes cidades.

Tempo de leitura: 4 minutos

A questão da moradia está se tornando um problema cada vez maior, principalmente nas grandes cidades. Manter um imóvel, seja ele alugado ou próprio, está ficando cada vez mais caro. Mesmo que você não pague aluguel, as contas de água e luz não param de subir, e você ainda precisa pagar IPTU, condomínio (no caso de prédios), seguro incêndio, gás de cozinha, produtos de limpeza e higiene, etc. Ainda tem internet, que hoje em dia é praticamente uma necessidade básica. E quando você coloca tudo isso no seu orçamento, não sobra dinheiro para quase nada.

 

O peso da moradia no orçamento.

Um estudo nos Estados Unidos revela que uma pessoa que recebe um salário mínimo lá, de 7,25 dólares a hora, não consegue bancar um apartamento modesto de 2 quartos. E não estamos falando apenas dos grandes centros urbanos, isso vale para todos os estados e cidades Americanas.

Para conseguir sustentar um simples apartamento de 2 quartos o salário mínimo teria que ser 22 dólares a hora, ou seja, mais de 3 vezes mais.

E como é feito esse cálculo?

O estudo pesquisou o valor de aluguel dos apartamentos de 2 quartos em todos os estados Americanos. Nos Estados Unidos o salário mínimo varia de acordo com o estado. E eles consideram que o aluguel tem que corresponder a no máximo 30% do salário, para não afetar o orçamento da família, que precisa arcar com outros gastos como alimentação, contas de casa, etc.

E o Brasil? Como fica?

Considerando esses números e o salário mínimo no Brasil, o valor máximo de aluguel aqui teria que ser de R$286,20 (já que o salário mínimo aqui é de R$954,00). De acordo com o Dieese (Departamento Intersindical de Estatísticas e Estudos Socioeconômicos), para sustentar uma família de 4 pessoas pessoas arcando com as necessidades básicas como moradia, saúde, educação, lazer, previdência social, higiene, alimentação e transporte, o salário mínimo teria que ser pelo menos R$3674,77. Ou seja, pelo menos 4 vezes menor.

Não encontramos nenhum estudo que fale especificamente sobre a relação salário e moradia, mas fizemos uma pesquisa rápida na internet. Procuramos apartamentos de 2 quartos em um grande site de anúncios de imóveis dentro desse valor de R$286,20. Não encontramos nenhuma opção em Belo Horizonte, São Paulo, Salvador, Rio de Janeiro, Vitória, Porto Alegre e nem Brasília.

E qual seria a solução?

alugar-quartos-easy-houses-01

Bom, seria muita presunção nossa tentar encontrar uma solução simples para um problema tão complexo. Moradia é um desafio em todos os países, e como podemos ver, inclusive nos mais ricos.

Mas podemos pensar na moradia compartilhada como parte dessa solução. Hoje vemos muitos imóveis vazios, parados, que ficam anos sem vender ou alugar. Quando você compartilha os quartos em uma casa ou apartamento, o custo fica muito mais acessível. Se você ainda não conhece esse conceito, dê uma olhada nesse post que falamos sobre moradia compartilhada.

No site da Easy Houses, que tem vários anúncios de quartos para alugar, não encontramos nenhuma opção por R$282,00 em Belo Horizonte. Mas lá tem vários quartos que variam entre R$300,00 e R$400,00 que já incluem outros custos além do aluguel como condomínio, IPTU, internet, mobília e até faxineira. Ou seja, uma pessoa sozinha que ganha um salário mínimo consegue bancar esse custo sem ter que apertar o orçamento.

Uma outra realidade que vemos também são estudantes universitários que passam em Universidades públicas em outras cidades e estados, mas não conseguem fazer o curso pois não têm condição de bancar um imóvel. A moradia compartilhada é muito mais acessível, e ainda traz mais qualidade de vida, pois é possível morar bem, perto da faculdade ou do trabalho. Sem contar as várias outras vantagens, que você pode ver nesse artigo que postamos.

O que você achou desse artigo? Aproveite para deixar a sua opinião, afinal de contas, um tema tão complexo como esse merece a atenção e contribuição de todos

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *